Sem título (2016), Anna Maria Maiolino (Foto: Galeria Luisa Strina)
Entrevista

Entrevista com Art Ahead

Marina Dias Teixeira
16 jul 2020, 15h10

O mercado de arte pode parecer um mundo hermético para os que não costumam transitar por entre galerias e coleções de arte, mas existem especialistas dedicados a abrir portas para quem quiser adentrar esse universo, de forma convidativa, customizada e assertiva.

Para melhor compreender o papel do art advisor, profissional especializado no mercado de arte, conversamos com três escritórios do ramo parceiros da SP-Arte. Abrindo a série de entrevistas, Júlia Porchat e Felipe Melo, da Art_Ahead, dão sua definição de art advisory, contam quais são os objetivos e desdobramentos de um serviço em consultoria em arte e trazem uma seleção de obras disponíveis na SP-Arte 365.

Acima: Sem título (2016), Anna Maria Maiolino (Foto: Galeria Luisa Strina)

Júlia Porchat e Felipe Melo (Foto: Arquivo pessoal)

Júlia Porchat e Felipe Melo (Foto: Arquivo pessoal)

O que é art advisory e qual é o seu papel dentro do mercado de arte?

Júlia Porchat e Felipe Melo: art advisory é um serviço muito customizado de consultoria com foco em arte. Um advisor tem por característica principal transitar com facilidade entre instituições, galerias e players em geral do mercado, buscando conhecimento e acessos que serão divididos com seus clientes. O advisor conecta o mercado de arte com entusiastas e colecionadores.

Como e por que nasceu o escritório da Art_Ahead?

JP e FM: Eu, Júlia, e meu sócio Felipe, estreitamos nosso relacionamento em 2016 durante um encontro em NY, quando fizemos uma imersão em galerias de arte contemporânea e percebemos interesses em comum. O Art_Ahead nasce em 2017 de nossa paixão por arte e vontade de estabelecer uma relação mais séria de consultoria neste campo. Acreditamos no modelo mais profissionalizado que implementamos em nossa relação com clientes e galerias, com um objetivo claro de criarmos engajamento e entendimento, incentivando não só o colecionismo, mas também a criação de repertório.

Quem são os clientes de um art advisor?

JP e FM: São pessoas que buscam desde uma compra mais guiada até o início de uma coleção mais estruturada. Há também clientes que chegam com o objetivo inicial relacionado à busca de conhecimento e imersões em um campo que foge do comum. O cliente de uma consultoria de arte pode vir com uma simples demanda de compra, mas em geral, entende que a aquisição de arte não é uma compra comum.

Quais são os principais objetivos da empresa?

JP e FM: Em geral buscamos fornecer as ferramentas para que nossos clientes naveguem de forma tranquila e consistente nos diversos ambientes envolvidos na arte. Queremos aumentar a amplitude do conhecimento e da discussão da importância da arte e seus impactos na sociedade, criando novos engajamentos.

Que diferença um art advisor pode fazer na hora de realizar uma compra?

JP e FM: O advisor tira a compra de arte da perspectiva exclusivamente estética. Temos a experiência e o conhecimento que pode ser trocado com nossos clientes para que suas decisões sejam tomadas de forma mais embasada e consciente.

O conceito é relativamente novo no Brasil, quando comparado ao exterior. Como vocês enxergam isso?

JP e FM: O mercado de consultoria em arte se profissionalizou há mais tempo fora, em especial na Europa e nos EUA. A diferença está na percepção desse tipo de consultoria pelo mercado. Nosso trabalho tenta consolidar uma visão profissionalizada em um campo com infinitas nuances e particularidades, indo muito além da simples indicação de artistas e galerias, espelhado no modelo que já está há muitos anos em prática no exterior.

Como o trabalho se desenvolve? Vocês costumam acompanhar artistas e galerias específicos?

JP e FM: Os clientes trazem diversas demandas, mas, em geral, o trabalho começa com a discussão sobre os seus interesses. Em muitos casos temos que abrir portas e campos de conhecimento até para que o cliente tenha uma percepção inicial do que chama sua atenção. Nesse sentido, buscamos trocar e somar antes de qualquer compra. Não só acompanhamos os artistas como estamos conectados com galerias, instituições e movimentos artísticos no mundo todo.

Qual é o primeiro conselho que vocês dariam a um aspirante colecionador?

JP e FM: Antes de comprar entenda o que quer comprar. Perceba sua coleção, desde suas primeiras aquisições, como a formação de um legado.

Confira abaixo as obras da SP-Arte 365 selecionadas especialmente pela Art_Ahead


Débora Bolsoni
“Facts”, 2019

Tinta acrílica e corda de cortina sobre algodão
Pintura: 199 x 196 x 1 cm



Sobre Art_Ahead

Fundada por Julia Suslick Porchat e Felipe Melo, a Art_Ahead é uma consultoria de arte focada no desenvolvimento de relacionamentos estritamente personalizados com seus clientes e colecionadores, sempre observando privacidade e discrição. A valorização da arte e o desenvolvimento cultural e intelectual formam a principal motivação da nossa empresa.

Os profissionais da Art_Ahead estão conectados com os centros de arte mais importantes do mundo. Trabalhamos para garantir que nossos clientes viajem de forma consistente no mundo da arte, incluindo todo o suporte necessário no relacionamento com instituições e galerias.


WhatsApp Image 2020-03-19 at 15.09.01

Marina Dias Teixeira é formada em Estudos de Mídia e Cultura pela Universidade de Arte de Londres (UAL). Já integrou as equipes da Fundação Bienal de São Paulo e Sotheby’s Brasil. Hoje é responsável pela área de relações institucionais da SP-Arte. Em paralelo, pesquisa teorias decoloniais e a produção de artistas afro-diaspóricos no circuito de arte contemporânea, com foco em mulheres negras.

Perfil SP‑Arte

Assine e fique por dentro dos principais acontecimentos do mundo da arte