Curadores escolhem obras e artistas em destaque na SP-Arte/Foto/2018

25 ago 2018, 13h42

Jovens talentos e nomes consagrados da fotografia marcam presença na 12º edição da Feira de Fotografia de São Paulo, que fica até domingo, 26 de agosto, no Shopping JK Iguatemi. Entre tantas obras e artistas, pedimos que cinco curadores escolhessem destaques da SP-Arte/Foto/2018. Veja a seguir!

 

Denise Gadelha, artista e curadora independente

“Gostei de ver as fotos do Wilhelm (Guglielmo) von Plüschow [Utópica], as mais antigas da Feira e ao mesmo tempo extremamente atuais, devido à temática homoerótica. A reimpressão de fotos do José Oiticica Filho [Mapa] a partir de arquivos que sobreviveram ao incêndio em que os originais se perderam junto com obras de seu filho, Hélio Oiticica. Do trabalho “Beija-flor”, de Gisela Motta e Leandro Lima [Vermelho], em que a imagem do pássaro é projetada sobre um ventilador em movimento que decompõe suas cores. Destacaria também as obras de Marcelo Moscheta [SIM e Vermelho], Denise Milan [Lume] e Júlia Milward [Aura].”

 

Fabio Faisal, curador independente

“Entre tantos nomes, destaco Marcos Chaves [Nara Roesler], artista já consagrado com seu humor e rigor formal; Lucia Koch [Nara Roesler], com suas caixas de luz e de arquitetura; Mauro Restiffe [Fortes D’Aloia & Gabriel], que trata ao mesmo tempo de questões arquitetônicas, políticas e históricas com pura poética; o venezuelano Ricardo Alcaide [SIM Galeria], que traz toda a herança construtivista de seu país; Berna Reale [Nara Roesler] com a força do inusitado e o jovem Nelson Porto [Galeria VilaNova].”

 

Fernando Ticoulat, curador e co-fundador da Act. 

“A fotografia é um tipo de arte muito associada à construção da imagem, àquele momento do enquadramento e clique do fotógrafo. Pressupõe a captura de um instante para sempre eternizado. Hoje em dia, a arte contemporânea assimilou esta prática e estendeu seus parâmetros. Selecionei cinco artistas que, cada qual à sua maneira, vão além do modelo clássico: Edu Simões [Marcelo Guarnieri], pela sua construção de narrativa; Claudia Andujar [Vermelho], pelo experimentalismo na hora de revelar o negativo; Daniel Jablonski, pela formalização de um conceito [Janaina Torres]; Gertrudes Altschul [Galeria da Gávea Vintage Photographies], pela sua composição moderna; e Ivens Machado [Fortes D’Aloia & Gabriel], por seu registro de performance.”

 

Jacopo Crivelli Visconti, crítico de arte e curador da Coleção Iguatemi

“De uma maneira geral, para mim, a Feira continua sendo muito interessante pela aproximação de fotógrafos de gerações diferentes e também pela maneira como distintas tecnologias se misturam. Entre os históricos, sem dúvidas o mais relevante foi a presença de fotos de German Lorca em mais de uma galeria, principalmente na Utópica com várias imagens icônicas. Entre os de uma geração mais nova, destaco a presença de Mauro Restiffe na Fortes D’Aloia & Gabriel, com uma série bastante grande de trabalhos, inclusive umas raras fotos coloridas. E entre os mais jovens, Nelson Porto, da Galeria VilaNova, me interessou pelo uso da realidade virtual, um recurso que a gente ainda viu pouco por aqui.”

 

Rafael Vogt Maia Rosa, crítico de arte e curador

“Meus destaques nesta edição da SP-Arte/Foto são a série “Butterflies and Zebras” (1969-70), de Mario Cravo Neto [Instituto Mario Cravo Neto], em que o artista faz uma primeira incursão pela fotografia em crônica misteriosa da cidade de Nova York; a sequência de uma performance envolvendo auto bandagem, de Ivens Machado [Fortes D’Aloia & Gabriel], realizada em 1973, e reveladas agora em 2018; o diálogo “holográfico” de Gisela Motta e Leandro Lima [Vermelho] com o trabalho de Claudia Andujar. Há também uma seleção preciosa de fotos de Pierre Verger [Marcelo Guarnieri], com motivos paralelos aos seus registros dedicados ao Candomblé.”

 

#respirearte