Primeira edição da Residência artística Death & Life, em Cachoeira, na Bahia (Foto: Divulgação)
SP-Arte

Focada em artistas afro-diaspóricos, Plataforma 01.01 participa da 16ª SP-Arte

SP-Arte
21 Feb 2020, 2:32 pm

Please note: SP-Arte 2020 has been suspended due to force majeure. Soon, find out more about the São Paulo International Art Festival 17th edition, which will be held from 12th to 16th of May, 2021.

Com o objetivo de incentivar a produção e a comercialização de obras de artistas africanos e afrodiaspóricos, a Plataforma 01.01 marca presença na 16ª edição da SP-Arte, de 1º a 5 de abril, como um de nossos Projetos Especiais. Estão à frente da iniciativa a artista e curadora Ana Beatriz Almeida, a artista e pesquisadora Camilla Rocha Campos, o artista Moisés Patrício e a curadora Keyna Eleison. 

Com seleção de Ana Beatriz, curadora convidada da próxima Bienal de Glasgow (Escócia), o estande do projeto na SP-Arte reúne Amalia Coelho, Anderson AC, Marcos da Matta, Melvin Edwards, Moisés Patrício, Sabrina Henry, Sekai Machache e Thulani Rachia. O brasileiro Moises Patricio e o norte-americano Melvin Edwards integram a pesquisa de Ana Beatriz para o festival escocês, que acontece de 24 de abril a 10 de maio de 2020.

“Esta seleção é uma espécie de epílogo-prólogo dos diálogos que a plataforma tem construído entre Américas, África e Europa. Propõe-se uma experiência ética e estética inovadora a partir de lógicas não-hegemônicas no sistema de arte contemporânea”, conta a curadora.

Primeira edição da Residência artística Death & Life, em Cachoeira, na Bahia (Foto: Divulgação)
IMG_9795

Residência artística Death & Life

Algumas das obras expostas na SP-Arte são resultado da 1ª edição da Death & Life Art Residency, em 2019. Promovido pela Plataforma 01.01 durante o mês de novembro, o programa de residência acontece em uma das mais antigas comunidades afrodescendentes do País – a cidade de Cachoeira, na Bahia.

“A 1# Death & Life Art Residency consistiu em uma série de pesquisas de campo que envolveram quilombos e terreiros históricos da cidade de Cachoeira, além da própria cidade – que foi a primeira a se tornar independente de Portugal, conhecida também como o berço do candomblé. A ideia é enriquecer a experiência de artistas estabelecidos e emergentes, propondo um diálogo intergeracional, além de envolver colecionadores nos projetos artísticos em questão”, afirma Ana Beatriz.

A segunda edição da Residência acontece em novembro deste ano na cidade baiana. A SP-Arte apoiará a ida de um artista africano ou afro-diaspórico, selecionado pela Plataforma 01.01. Para informações completas sobre o edital, clique aqui.

Primeira edição da Residência artística Death & Life, em Cachoeira, na Bahia (Foto: Divulgação)

Sobre a curadora

Ana Beatriz Almeida é curadora convidada da Bienal de Glasgow de 2020, mestranda em História e Estética da Arte pelo MAC-USP e doutoranda pela King’s College (UK). Co-fundadora da Plataforma 01.01. Entre o final de 2018 e início de 2019, ministrou workshops em instituições europeias e africanas sobre sua pesquisa em novas ferramentas de crítica de arte contemporânea a partir de ritos de morte africanos e afrodescendentes. Tal pesquisa teve base nos quatro anos de pesquisa de campo imersiva que a performer e pesquisadora realizou pela Unesco nas tradições corporais negras das comunidades do Baba Egun e da Irmandade da Boa Morte. 

Sobre a Plataforma 01.01

Criada por artistas e curadores africanos e brasileiros, a Plataforma 01.01 é apoiada por instituições no Reino Unido (Transmission-Scotland e Bokantaj/England), Portugal (Galeria Ilha do Grilo/Lisboa), Ghana (Foundation For Contemporary Art). Seu objetivo é rever as antigas rotas comerciais da escravidão em um circuito de intercâmbio cultural que promove maneiras justas de coletar e consumir arte. A Plataforma 01.01 surge como um espaço onde o mercado de arte e seus componentes estão comprometidos em criar um novo ambiente global. Suas atividades possibilitam uma grande circulação de obras de arte, artistas e conteúdo crítico gerando não só visibilidade, mas uma família de colecionadores selecionados e engajados. Logo, ao agregar valor a essas produções, a 01.01 promove artistas emergentes e intensifica a pesquisa de artistas estabelecidos. Propõe que os colecionadores não apenas consumam arte, mas também participem de um empreendimento maior voltado para um mercado mais saudável para todos. Suas atividades compreendem: residências, exposições, aquisição de obras de arte, assessoria de arte, simpósios, publicações e programas educacionais para aquisição de arte. Participou da ArtRio 2019 e, em 2020, participará da 1:54 Contemporary African Art Fair/ Londres, e da SP-Arte.

SP‑Arte Profile

Subscribe and stay in touch with the main events in the world of art