Thiago Martins de Melo, Daniel Jablonski e Bruno Faria comentam suas inspirações e escolhem peças favoritas na 15ª SP-Arte

6 abr 2019, 18h45

Inúmeros críticos, curadores e curadoras de arte visitam o Pavilhão da Bienal durante a SP-Arte. Alguns destacaram quais artistas e obras chamaram sua atenção neste 15ª Festival. Confira!


Thiago Martins de Melo

“Gostei muito da ‘Vaga padrão’, do Daniel Murgel e C. L. Salvaro (galeria Ybakatu), que está no lado de fora do Pavilhão, no meio do gramado. Eles jogam com elementos que identificam um estacionamento porém não é um, cria uma tensão, acaba envolvendo outras camadas. A série japonesa de Wesley Duke Lee, que está no estande da Almeida e Dale no primeiro andar, foi bastante impactante para mim, que me pegou de cara. Eu não conhecia essa série baseada na temática japonesa, me interessou muito a sutileza, a estrutura que remete a uma espécie de objeto nipônico. Outro trabalho que me interessou foi a peça de José Damasceno, a série de Carimbos que está na Carbono Galeria. Me interessa a palavra inscrita no carimbo, ‘crítica’, e o apelo diferenciado à linguagem da palavra inscrita de forma invertida. Esta foi outra obra que me tocou pelo impacto inicial.”

Thiago Martins de Melo, galeria Leme/AD


Daniel Jablonski

“Todo o estande solo de Randolpho Lamonier, na Periscópio Arte Contemporânea, costura um fio narrativo político forte. Em especial, uma caixa de luz de propaganda de rua, aberta e remendada de forma tosca, como se tivesse sido apropriada por um grupo de revolucionários para a veiculação de uma mensagem de resistência dirigida aos ‘cidadãos de bem’ que deram seu voto ao atual governo. A obra ‘Cutting out CONYT 17’, de Lorraine O’Grady, no Alexander Gray associates, mostra como um procedimento simples pode dar origem a uma obra complexa. Em termos de conteúdo, há uma sólida narrativa poética construída a partir da apropriação de frases de reportagens do New York Times (NYT), incluindo uma referência ao Brazil como lugar do clichê: ‘on your way to Rio’. Por fim, a obra ‘A logo for America (Miami Beach)’, de Alfredo Jaar, na Galeria Luisa Strina, revela uma bonita solução encontrada pelo artista para re-encenar em 2018 sua emblemática peça mostrada em telões na Times Square em 1987. Ao sobrepor a bandeira dos EUA com a frase ‘Isso não é a América’, o chileno evidenciava que a palavra pertence a todos os habitantes do continente. Ao levar seu telão para um barco no litoral de Miami, ele lembra aos habitantes da cidade a sobrevivência de um ‘sonho americano’ por parte dos imigrantes que tentam chegar ali em busca de uma nova vida.”

Daniel Jablonski, galeria Janaina Torres


Bruno Faria

“Me interessou o trabalho que a Marina Weffort está apresentando na SIM Galeria. Ao intervir no tecido, ela cria desenhos em um jogo óptico com grande movimento. Outro artista que destaco é o Valdirlei Dias Nunes que está apresentando na Galeria Lurixs algumas telas de 2018. Ele é um dos mais importantes de sua geração, sua pesquisa pela geometria é bastante precisa e pictórica ao mesmo tempo, próxima de um minimalismo. Também me interessou bastante o trabalho de Débora Bolsoni na Galeria Athena, do Rio de Janeiro. Ao se apropriar de objetos banais do cotidiano, ela revela novas formas de compor.”

Bruno Faria, galeria Marilia Razuk

Perfil SP‑Arte

Assine e fique por dentro dos principais acontecimentos do mundo da arte