"Eu e você" (2019), Mitsy Queiroz (Foto: Divulgacão / Nacional Trovoa)
Novidades

Conheça galerias e projetos artísticos estreantes no universo da SP-Arte

SP-Arte
13 ago 2020, 10h45

Participações de novos expositores renovam os ares da SP-Arte a cada ano, e a primeira edição do SP-Arte Viewing Room não será diferente. A versão digital da mais importante feira de arte da América Latina reunirá mais de 130 galerias de arte e design nacionais e internacionais, de 24 a 30 de agosto aqui no site da SP-Arte

Confira a lista dos expositores de arte que integram pela primeira vez o universo da Feira, e o que eles trazem para seus estandes virtuais!

Acima: "Eu e você" (2019), Mitsy Queiroz (Foto: Divulgacão / Nacional Trovoa)

"Stairs #01" (2012) e "Stairs #02" (2017), Leonardo Finotti (Foto: Divulgação / Galeria Artespacio)

"Stairs #01" (2012) e "Stairs #02" (2017), Leonardo Finotti (Foto: Divulgação / Galeria Artespacio)

Artespacio (Chile)

Fundada em 1995 por María Elena Comandari e Rosita Lira, a Artespacio dedica-se a promover tendências da arte chilena do século 21, assim como resgatar o trabalho de tradicionais nomes do país. Sua programação anual engloba exposições individuais e coletivas, mostras itinerantes, concursos, além de conversas com artistas e curadores. No SP-Arte Viewing Room, serão apresentadas obras de Benjamin Ossa, Francisca Benedetti e Francisca Garriga, artistas chilenos que trabalham a experimentação das cores em diferentes materiais; e também peças de Máximo Corvalan-Pincheira, Leonardo Finotti e Glenda León, que dialogam com diversos meios.

"Flylight (Miami)" (2017), Drift (Foto: Divulgação / Carpenters Workshop Gallery)

"Flylight (Miami)" (2017), Drift (Foto: Divulgação / Carpenters Workshop Gallery)

Carpenters Workshop Gallery (Reino Unido)

Uma das precursoras da arte funcional, a Carpenters é conhecida por desenvolver, em parceria com profissionais em ascensão e já estabelecidos, desenhos que extrapolam o formato tradicional e priorizam o ineditismo de cada peça individualmente. Fundada em 2006, a partir da amizade de Julien Lombrail e Loic Le Gaillard, a galeria realizou projetos em espaços institucionais, a exemplo da instalação “Dysfunctional”, exibida na Galleria Giorgio Franchetti, em Veneza, durante a 58ª Bienal de Arte. O destaque do SP-Arte Viewing Room vai para o Drift, a dupla de artistas holandeses Lonneke Gordijn e Ralph Nautuma, que articulam uma equipe multidisciplinar de 64 pessoas para criar esculturas experienciais, instalações e performances.

"Visões do Pantanal", João Farkas (Foto: Divulgação / Documenta Pantanal)

"Visões do Pantanal", João Farkas (Foto: Divulgação / Documenta Pantanal)

Documenta Pantanal (Brasil)

Por meio de projetos desenvolvidos em diferentes meios – tais como exposições, livros e vídeos –, a Documenta Pantanal prevê documentar, tornar conhecida e valorizar a beleza natural do Pantanal brasileiro, aproximando diferentes agentes que possam promover ações pela região. Para o SP-Arte Viewing Room, o projeto apresenta três renomados fotógrafos brasileiros: Araquém Alcântara, João Farkas e Luciano Candisani. De acordo com a produtora Mônica Guimarães, organizadora da Documenta, a participação desses três profissionais contribui para ilustrar e exemplificar como a fotografia é importante na criação de um pensamento que estimule a preservação, ainda mais em período tão delicado para a região, que sofre com a maior das queimadas das últimas décadas.

"Um instante antes 1" (2020), Pablo Ravina (Foto: Divulgação / Galeria Ginsberg)

"Um instante antes 1" (2020), Pablo Ravina (Foto: Divulgação / Galeria Ginsberg)

Ginsberg (Peru)

Fundada em 2014 por Claudia Pareja, Ginsberg é uma galeria peruana focada em arte contemporânea da América Latina, com especial interesse em preservar e entender as diferentes vertentes artísticas existentes na região. Em 2018, a galeria anunciou a criação de um ramo editorial, no qual publica catálogos e livros de artistas. Para a edição virtual da SP-Arte, a galeria apresenta uma seleção de artistas que desafiam determinados paradigmas da sociedade em que vivemos, a exemplo de Wynnie Mynerva, que discute as políticas da estética queer e outras questões de gênero por meio de pinturas , e de Pablo Ravina, com obras que questionam como movimentos como Black Lives Matters e Me Too estão sendo afetados pelas plataformas digitais.

"Estrutura para campos densos" (2020), Iagor Peres (Foto: Divulgação / Galeria Hoa)

"Estrutura para campos densos" (2020), Iagor Peres (Foto: Divulgação / Galeria Hoa)

HOA (Brasil)

HOA é uma galeria de arte integrante da HOA Tour, uma organização artística baseada em São Paulo, fundada em 2020 pela artista Igi Lola Ayedun. Com um trabalho dedicado à arte contemporânea latino-americana, a galeria tem a internet como ponto focal, destacando a ideia de ser “hospedada em todos os lugares”. As principais atividades da HOA são exibições, ações focadas em arte-educação, mesas de debate, residências em ateliê e vendas. Com curadoria de Felipa Damasco, Lucas Andrade, Luiz Felipe Lucas e Lucas Fernandes, a galeria traz para o SP-Arte Viewing Room artistas como Castiel Vitorino Brasileiro, Jota Mombaça, Musa Michelle Mattiuzzi, Lídia Lisboa e Davi Jesus do Nascimento.

Série "Origem", Irene Guerriero (Foto: Divulgação / Galeria Lona)

Série "Origem", Irene Guerriero (Foto: Divulgação / Galeria Lona)

Lona Galeria (Brasil)

A galeria, que abriu suas portas na Barra Funda em março de 2019, nasceu de uma parceria entre o curador Duílio Ferronato e o artista Higo Joseph. Seu trabalho é focado em artistas que estão em início de carreira ou em ascensão, com potencial artístico e de mercado, proporcionando a eles um primeiro contato com o circuito das artes, bem como fomentando um novo tipo de colecionismo. O projeto da galeria para o SP-Arte Viewing Room apresenta os artistas Gabriel Pessoto, Gabriel Torggler, Higo Joseph e Irene Guerriero, que transformam jogos, programas de TV, paisagens, artesanato, passatempos e programas eróticos em desenhos, colagens, pinturas e esculturas.

"Inside B" (2020), Suzana Queiroga (Foto: Divulgação / Galeria Matias Brotas Arte Contemporânea)

"Inside B" (2020), Suzana Queiroga (Foto: Divulgação / Galeria Matias Brotas Arte Contemporânea)

Matias Brotas Arte Contemporânea (Brasil)

A Matias Brotas, de Sandra Matias e Lara Brotas, tem o intuito de atender o público amante das artes visuais em Vitória (ES). Entre outros objetivos, a galeria prevê criar conexões entre o sistema artístico já estabelecido e novos compradores, a partir de ações como o Clube do Colecionador. Atuando há treze anos no mercado brasileiro, seu acervo é composto por renomados artistas do cenário das artes, como Manfredo de Souzanetto e José Bechara, além de jovens talentos como Lara Felipe, Miro Soares, Raphael Bianco, Renata Egreja e Antonio Bokel. O destaque da galeria no SP-Arte Viewing Room fica para a artista Suzana Queiroga e suas reflexões sobre o infinito, seus desdobramentos e possibilidades. Os trabalhos que serão apresentados fazem parte da série “O mundo segue indiferente a nós”, na qual tramas de diferentes escalas e natureza e incisões em papéis criam cores fortes que instigam o olhar.

"Raiz e patchuli" (2020), Keila Serruya Sankofa (Foto: Divulgação / Nacional Trovoa)

"Raiz e patchuli" (2020), Keila Serruya Sankofa (Foto: Divulgação / Nacional Trovoa)

Nacional Trovoa (Brasil)

O Levante Nacional Trovoa é um coletivo de artistas visuais e curadoras racializadas pertencentes às cinco regiões brasileiras. Fundado em 2017 na cidade do Rio de Janeiro, o coletivo nasce a partir das preocupações iniciais de quatro jovens mulheres, que reivindicam urgência na discussão sobre o sistema de arte no Brasil, com especial atenção à visibilidade e inserção das artistas racializadas cis e trans nesse circuito. Na SP-Arte Viewing Room, Trovoa apresenta trabalhos de Aline Besouro, Bárbara Milano, Bianca Leite, Carla Santana, Cyshimi, Gabriela Monteiro, Hariel Revignet, Juliana Araújo, Keila Serruya Sankofa, Mitsy Queiroz, Mônica Ventura, Raylander Mártis dos Anjos e Sheyla Ayo.

"Aceita?" (2020), Moisés Patrício (Foto: Divulgação / 01.01 Art Platform)

"Aceita?" (2020), Moisés Patrício (Foto: Divulgação / 01.01 Art Platform)

01.01 Art Platform (Brasil)

Criada por artistas e curadores africanos e brasileiros, a 01.01 Art Platform é apoiada por instituições no Reino Unido, Portugal e Ghana. Seu objetivo é rever as antigas rotas comerciais da escravidão em um circuito de intercâmbio cultural que promove maneiras justas de coletar e consumir arte. Suas atividades possibilitam uma grande circulação de obras de arte, artistas e conteúdo crítico, gerando não só visibilidade, mas uma família de colecionadores selecionados e engajados. Logo, ao agregar valor a essas produções, a 01.01 promove artistas emergentes e intensifica a pesquisa de artistas estabelecidos, propondo que os colecionadores não apenas consumam arte, mas também participem de um empreendimento maior voltado para um mercado mais saudável para todos.

Espaço do projeto (Foto: Divulgação / Ana Pigosso)

Espaço do projeto (Foto: Divulgação / Ana Pigosso)

Projeto Vênus (Brasil)

Projeto Vênus é o recém-nascido escritório de arte do curador Ricardo Sardenberg, dedicado a interagir com a arte contemporânea brasileira e, em particular, com a sua versão paulistana. As exposições da galeria são individuais dos artistas representados, resultantes do acompanhamento do curador. A Vênus também interage com outros espaços na cidade de São Paulo, sejam eles comerciais ou sem fins lucrativos, e convida artistas de outras galerias para exposições e projetos especiais. Para o SP-Arte Viewing Room, serão apresentadas as artistas Adriana Coppio e Camile Sproesser junto aos convidados Efrain Almeida e Marcellvs L., num projeto inspirado em animais.   

Sem título (2007), Anna Maria Maiolino (Foto: Divulgação / Galeria Rodrigo Ratton)

Sem título (2007), Anna Maria Maiolino (Foto: Divulgação / Galeria Rodrigo Ratton)

Rodrigo Ratton (Brasil)

Com um extenso acervo selecionado durante 35 anos colecionando arte brasileira, internacional e principalmente mineira, Rodrigo Ratton cria sua galeria para mostrar uma visão particular de trabalhos de artistas contemporâneos e populares de seu interesse. Entre 2018 e 2019, a galeria manteve uma dinâmica programação com exposições individuais de Froiid, Zé Bezerra, Lorenzato, Maria Lira Marques, Véio e Zezin. Para a edição online da SP-Arte, a galeria Rodrigo Ratton apresenta obras dos artistas Amadeo Luciano Lorenzato, Anna Maria Maiolino, Paulo Nazareth, Celso Renato, José Bezerra, Amilcar de Castro, Desali, Froiid e Janaina Tschäpe.

Perfil SP‑Arte

Assine e fique por dentro dos principais acontecimentos do mundo da arte