sparte-edit-serie-o_que_e-residencia-9
O que é

O que é: residência artística

Giovana Christ
24 set 2020, 12h

Mesmo que seja impossível fixar uma definição do que é uma residência artística — assim como quase tudo na arte — os programas que visam o desenvolvimento dos artistas já existem há anos e cada vez mais se tornam pontos importantes no currículo dos profissionais, sejam eles novos ou já inseridos no mercado. Especialmente este ano, diversos programas de residência aconteceram de forma online e estão se adaptando à novas tecnologias e plataformas.

Sua origem é estimada nos anos 80 em cidades do Japão, Canadá, Estados Unidos e Europa, com destaque para a Cité des Arts, em Paris, que se tornou molde de diversos programas de residência artística no mundo, inclusive o da Faap, em São Paulo, uma das residências mais tradicionais do Brasil. Nos dias atuais, não é difícil ver artistas fazendo intercâmbios por outros países para conhecer diferentes tipos de propostas e imersão em culturas distintas.

De um modo geral, os artistas procuram residências artísticas para buscar inspirações, dedicar seu foco a algum projeto específico ou desenvolver novas ideias junto de outros artistas, críticos ou organizações de sociedade diferentes do que estão acostumados. Marcelo Amorim, residente permanente e fundador do Fonte — organização com um quê de centro cultural que oferece residências para artistas internacionais e ateliês temporários para jovens artistas — conta que um programa de residência “é praticamente criar uma fresta, um hiato longe da vida cotidiana ou das expectativas de uma atuação profissional.” E completa que “acredito que artistas procuram na residência um momento de experimentação, que pode ser uma pausa para reflexão, a possibilidade de se dedicar a um projeto que exige um grau maior de concentração ou ainda a troca, o diálogo com pares ou com demais agentes do sistema.”

Dentro de um programa de residência, os artistas podem ter contato com curadores e críticos que visitam os ateliês e emitem opiniões sobre as obras e projetos, palestrantes são convidados para conversar com os artistas selecionados e, também, muito do que se desenvolve é a partir do contato com os outros profissionais que estão trabalhando lado a lado e compartilhando sua vivência artística. Alguns até levam as residências como estilo de vida, fazendo parte de diversos programas e não tendo um ateliê fixo no mundo, aproveitando da inspiração que vivenciar diferentes culturas pode trazer e o que cada instituição oferece.

Residência na Faap (Foto: Jéssica Mangaba)

Residência na Faap (Foto: Jéssica Mangaba)

Residência no Fonte (Foto: Jéssica Mangaba)

Residência no Fonte (Foto: Jéssica Mangaba)

Residência no Pivô (Foto: Jéssica Mangaba)

Residência no Pivô (Foto: Jéssica Mangaba)

Paula Signorelli, diretora de desenvolvimento do Pivô, conta que a migração para a residência digital neste ano mostrou quais são as verdadeiras bases do programa “confirmamos que uma das maiores potências da residência do Pivô estava mesmo nas trocas mediadas entre o grupo, no contato com outros curadores e interlocutores, e principalmente nas trocas e construções coletivas, que se mostraram muito potentes neste ambiente virtual”, que começará seu terceiro e último ciclo de 2020 com o acompanhamento do curador Thiago de Paula.

Cada residência é construída com focos diferentes e formatos que podem se adaptar melhor ou não a cada artista. Em São Paulo, por exemplo, a residência oferecida pela Faap disponibiliza moradia para os participantes e seus esforços são focados na vivência do período, além das aulas com professores da instituição e contato com os alunos. Elilson, performer que fez parte do último ciclo de residência da Faap, conta que mesmo com a readaptação dos processos por causa da pandemia, a aliança entre os participantes foi o diferencial do período. “Para mim, que nunca tive experiência em ateliê antes e que trabalho fundamentalmente nas ruas, foi uma oportunidade de focar na pesquisa e prospectar projetos, perceber se alguns trabalhos poderiam ser reformatados do espaço público para o interno, nem que fosse por meio da escrita.”

As residências artísticas podem trazer variáveis em seu formato como o oferecimento de moradia na cidade ou não, bolsas de auxílio financeiro ou cobrança de mensalidades, auxílio de críticos e curadores ou apenas a interação entre diversos artistas, meios e suportes específicos, cobrança de resultados ou não, o que de qualquer forma não tira a validade desses programas na inserção do mercado de arte e da institucionalização que muitos artistas buscam hoje em dia.


Giovana Christ é estudante de jornalismo (ECA–USP), entusiasta do carnaval brasileiro e apaixonada por todos os tipos de manifestações culturais. Faz parte da equipe editorial da SP-Arte.

Perfil SP‑Arte

Assine e fique por dentro dos principais acontecimentos do mundo da arte