Um ano do desastre ambiental em Mariana: como a arte nos ajuda a elaborar os fatos

4 Nov 2016, 3:03 pm

Um ano atrás acontecia em Mariana o maior desastre ambiental brasileiro. O colapso de duas barragens da mineradora Samarco – controlada pela brasileira Vale e pela anglo-australiana BHP Billiton – provocou uma enxurrada de lama com metais pesados que se espalhou pela região, levando 17 pessoas à morte e destruindo pelo caminho cidades, espécies animais e vegetais. Nos meses subsequentes, inúmeros artistas foram ao local para retratar, cada um à sua maneira, os rastros da tragédia.

Entre eles estão Cristiano e Pedro Mascaro, pai e filho, que foram convidados pela revista piauí, sete meses após o ocorrido, para uma cobertura fotográfica. “Depois do baque da repercussão e assim que a coisa se sedimentou, a ideia era mostrar como tudo estava, então esse é um trabalho com um pouco mais de reflexão”, conta Cristiano. “Foi meu primeiro trabalho dessa importância. Realizá-lo com meu pai foi mais especial. Foram 15 dias intensos e de múltiplas experiências”, afirma Pedro, que usou um drone para fotos aéreas – dele saíram 975 fotos e 97 vídeos. As imagens estão em exposição no Paço Imperial (RJ) até 20 de novembro, sob o título “A lama: de Mariana ao mar”.

Outros artistas mergulharam na experiência e buscaram chamar atenção para a gravidade do desastre. Durante a SP-Arte/Foto/2016, a Dan Galeria e a Galeria da Gávea exibiram em seus espaços obras de Christian Cravo e Bruno Veiga, respectivamente, expondo as entranhas do episódio.

Além deles, o sul-africano Haroon Gunn-Salie se enveredou pela questão. Misturando arte e ativismo já em seu país, Gunn-Salie montou uma individual para discutir o incidente e suas consequências no Galpão_VB, em São Paulo. O trabalho surgiu da relação que estabeleceu com pessoas diretamente afetadas pelo desastre, após uma incursão pelo local. O projeto foi concebido em colaboração com moradores da região que se recusaram a sair de suas terras. A mostra resultou do 1º Prêmio SP-Arte/Videobrasil, que buscava promover um artista internacional no Brasil, para um diálogo criativo Sul-Sul.

Como de costume, a arte vai nos lembrando de episódios que não podemos esquecer, vai nos mostrando o que nem sempre podemos presenciar e vai construindo conosco nossa história coletiva. Com tinta, lápis, foto ou lama.

Perfil SP–Arte

Create your SP–Arte profile to receive our newsletters, create your own collections and have an enhanced experience of our website