Francisca Benedetti, “Rojo horizontal”, 2020 (detalhe). Cortesia: Artespacio.
SP-Arte

O silêncio eterno dos espaços infinitos

Alexia Tala
30 Aug 2020, 9:19 am

Pessoas que choram diante de minhas pinturas vivenciam
a mesma experiência religiosa que senti ao
pintá-las. E se você, como você disse,
é atraído apenas por suas relações de cor,
então o decisivo lhe escapa.

Mark Rothko

"Horizonte Borroso 4" Acrílico sobre papel 76 x 106 cm
"Horizonte Borroso 2" Acrílico sobre papel 76 x 106 cm

A obra de Francisca Benedetti é conhecida pela sua laboriosa e delicada pintura geométrica, nas quais a forma prevalece sobre a cor e a geometria cria a estrutura. São geometrias repetitivas, triângulos, quadrados, hexágonos, etc. que são duplicados e triplicados, que adotam novas formas dentro de um padrão, remetem à formas do Oriente Médio, abstraídas de suas fortes cores características e que nos levam a uma interpretação global, porém atemporal, da experiência de suas obras.

É interessante refletir sobre seu processo criativo, que consiste em uma série de atos de azar, um processo íntimo que, embora se desenvolva organicamente, tem uma certa lógica. Começa pintando de baixo para cima e depois de cima para baixo e progride das duas formas sem um percurso previamente definido, aplicando a tinta, que varia em seus tons ao longo do tempo, já que a artista a deixa decantar sem mexer, e isso muda a cor, a tonalidade e sua sensibilidade, harmonizando de forma muito sutil e resultando em uma espécie de teia colorida quase invisível.

As pinturas da série Horizontes Borrosos [Horizontes borrados] erradicam todas as formas e trocam a geometria pela pureza da cor, aplicada em camadas infinitas de cores que se misturam horizontal ou verticalmente sem bordas delimitadas, e, com um pulso rítmico, convidam a experiência sublime de contemplação. O borrado, sem dúvida, acentua a sensação de infinito, e o infinito é um espaço aberto, atemporal e silencioso. Como diria Kant, “o sublime tem que ser simples; o belo pode ser adornado”.

"Ascesis 2" Aquarela e lápis grafite sobre papel 120 x 80 cm
"Ascesis 1" Aquarela e lápis grafite sobre papel 120 x 80 cm
Francisca Benedetti, “Rojo y naranja vertical”, 2020. Cortesia: Artespacio.

A artista consegue, para além do pictórico, evocar uma paisagem com uma atmosfera silenciosa de solidão. As suas pinturas são altamente pessoais e poéticas, são respostas meditativas à experiência da existência no mundo. Têm a capacidade de evocar um estado de contemplação melancólica no espectador por meio do uso da cor, cor sem forma, e abstração pensada como ausência de forma, bem como os campos de cor do expressionismo abstrato que rejeitam tudo exceto a cor, como as pinturas de Mark Rothko. Também podemos relacionar o trabalho de Benedetti com as instalações de iluminação de James Turrell, que exploram o espaço e a luz colorida, ou os filmes de Tacita Dean que se detêm no tempo sem medo da espera (pôr do sol em Berlim) ou as explorações tecnológicas de Mariko Mori para criar experiências holísticas.

Assim como suas pinturas evocam uma abstração da paisagem, elas são também o reflexo de um estado recente de sua vida, tanto físico quanto emocional, que tem a ver com os meses de espera pelo nascimento de sua filha – a forma que suas obras são encontros espaço-temporais, que denotam uma mudança de luz, onde o caráter transitório se acentua e o tempo se torna presente, como se o que está diante de nós pudesse continuar a se transformar, como ao observar a mutação do céu ao pôr do sol da janela de um avião. Nesse espaço ilusionista, metafísico, o acima e o abaixo fluem, o céu possível, a terra possível, onde o sonho assume a obra pela ausência de volume e forma e pela presença do vazio, onde o silêncio eterno desses espaços infinitos, como diria Blaise Pascal, são avassaladores.


alexia

Alexia Tala is independent curator and artistic director of Plataforma Atacama, Alexia Tala specializes in Latin American art research. More recently, she dedicated herself to the general curatorship of the 2020 Bienal de Arte Paiz, in Guatemala, and to publishing a monograph on the Chilean Lotty Rosenfeld. She was co-curator of the 8th Mercosur Bienal – Essays in Geopoetic and the 4th San Juan Poly/Graphic Triennial, in Puerto Rico, the 20th Bienal de Arte Paiz, in Guatemala. Alexia also writes for art publications in Latin America and the United Kingdom, and is the author of “Installations and Experimental Printmaking” (UK, 2009). She will be curating the Solo sector in the next SP-Arte.

SP–Arte Profile

Create your SP–Arte profile to receive our newsletters, create your own collections and have an enhanced experience of our website