Berna Reale, “Ginástica da pele # 07”, 2019 (detalhe).
SP-Arte

Corpo, câmera e screening no SP-Arte
Viewing Room

Julia Flamingo
26 Aug 2020, 8:43 am

No vídeo “Definição de Arte”, algumas vozes tentam dar longas e incompreensíveis explicações sobre a arte enquanto a artista Vera Chaves Barcellos, em frente à câmera de vídeo, luta contra o sono. O vídeo assertivo e bem-humorado de 24 minutos está entre as obras que a galeria paulistana Superfície escolheu para a sua participação no Viewing Room da SP-Arte – um projeto solo dedicado a artista de Porto Alegre. O trabalho é de 1996, mas remete à experimentação que diversos artistas vinham fazendo principalmente a partir dos anos 1960, em que a performance era criada para a câmera. Vera Chaves Barcellos pesquisava o jogo entre a imagem e a presença do corpo: em “Estranho desaparecimento de V.C.B”, por exemplo, ela faz uma série de divertidas fotografias em que apresenta sua figura sumindo do cenário. 

Se, naquela época, a performance criada para a câmera era uma maneira de registrar uma ação sem testemunhas, hoje ela acontece ao vivo, em screenings que podem ser assistidos simultaneamente por centenas de pessoas ao redor do mundo. A ideia de privacidade que prevalecia em vídeos de artistas como Vera Chaves Barcellos passa longe de muitas das performances feitas hoje para a câmera. Em quarentena, muitos artistas apresentam performances na intimidade do seu lar e ateliê, mas nem imaginam quem são as pessoas que os observam do outro lado da tela.

Vera Chaves Barcellos, "Definição de arte”, 1996. Cortesia: Galeria Superfície.
Renan Marcondes, "Aquele que diz não", 2020. Cortesia: OMA Galeria.

É o caso de “Aquele que diz sim aquele que diz não”, performance do paulista Renan Marcondes que, representado pela OMA Galeria, integra a programação de performances online da SP-Arte. Confinado em seu ateliê, o artista apresentou uma performance ao vivo de longa duração na terça (25), em que caminhou de quatro levando em suas costas um pódio de madeira. Durante horas, Renan ficou à disposição para ser observado por qualquer pessoa que acessar o link do Youtube. Na performance, ele brinca com a ideia sugerida pelas palavras “Viewing Room”, colocando nós internautas no lugar de voyeur, como se estivéssemos invadindo a sua privacidade. O conceito de fazer uma performance dentro do próprio estúdio, desmistificando o lugar de trabalho do artista e aproximando o público do processo de criação, foi muito explorada por Bruce Nauman nos anos 1960, e é retomada, atualizada e até certo ponto, subvertida, por Renan nesta performance. 

Outra transmissão ao vivo de destaque da programação é “Vermelho de sangue preto”, de Ricardo Januário, cuja performance irá explorar a tensão e o relaxamento do corpo em uma dança transmitida na Plataforma HOA no sábado (29), às 19h15.

Berna Reale, “Ginástica da pele”, 2019. Cortesia: Galeria Nara Roesler.

A câmera também é ferramenta crucial nas performances feitas em lugares públicos que tomam forma de happenings e que só chegam até nós se registradas em vídeo e foto. Caso de “Ginástica da pele”, performance da paraense Berna Reale cujo vídeo é apresentado no estande da Galeria Nara Roesler. Realizada nas ruas de Belém, em 2019, a performance reuniu cem jovens, que foram liderados por Berna – ela encarna a comandante de uma tropa – para realizar movimentos de um treino militar. Entre gritos e apitos, os jovens sem camisa e descalços respondem com gestos executados por suspeitos quando enquadrados pela polícia. Os cem rapazes são enfileirados e organizados de acordo com a gradação dos seus tons de pele.  

No trabalho de Berna Reale, o corpo não é personificado. Aqueles corpos representam tantos outros corpos de jovens que sofrem preconceito pelo tom de pele. Na obra dela, não importa a nacionalidade ou o contexto: de Belém do Pará à Minneapolis, suas performances remetem a todos os que são vítimas de preconceito, assédio ou negligência. Parte das vendas das fotografias dessa obra serão doadas para o projeto Remição de Pena pela Leitura, que funciona em presídios de Belém. 

Na C.Galeria, Paul Setúbal apresenta o vídeo da performance “Porque os joelhos dobram”, em que ele dá golpes de cassetete nas paredes brancas da galeria até que o objeto entorte e seu corpo se esgote. O artista de Brasília que frequentemente discute poder, controle e naturalização da violência, chamou bastante atenção durante a SP-Arte/2018 quando participou da primeira edição do setor de performance. No Pavilhão da Bienal, Setúbal criou uma engenhoca feita de roldanas e cabos para sustentar com o corpo uma escultura de 250 quilos de Franz Weissmann. 

Luciana Magno, “Devir tubérculo”, 2019. Cortesia: Janaina Torres Galeria.
tuberculo-3
tuberculo-2

Já em “Devir tubérculo”,  no stand da Janaina Torres Galeria, Luciana Magno coloca o corpo no lugar de tensão com a natureza. Na performance de 2019 apresentada no 36º Panorama da Arte Brasileira do MAM-SP, ela mostra uma mulher sendo içada de dentro da terra pelos pés, como um tubérculo que é arrancado do solo. A imagem violenta faz referência à fotografia de uma mulher indígena pendurada de cabeça para baixo e mutilada, revelada pelo Relatório Figueiredo, de 1967, que registra investidas contra os povos indígenas durante a ditadura militar.

Como fica a relação com o corpo e com a performance na arte mediada pelo digital? Vou procurando responder à pergunta enquanto assisto à performance ao vivo de Renan Marcondes do meu sofá, e revejo o brilhante vídeo de Berna Reale no conforto da minha casa. É em uma relação um tanto ambígua com o corpo, a câmera e o screening que eu sei que será muito bom quando pudermos ver tudo isso ao vivo novamente.

SP–Arte Profile

Create your SP–Arte profile to receive our newsletters, create your own collections and have an enhanced experience of our website