Da série "Kanaimé" (2021), Jaider Esbell (Foto: Marcelo Camacho)
SP-Arte

Audioguia 2021: O vernacular e a ancestralidade na arte contemporânea

Camila Bechelany
9 Dec 2021, 6:22 pm

Este texto foi escrito por ocasião da SP–Arte 2021 e compõe um dos audioguias produzidos exclusivamente para a Feira. Você pode ouvi-lo aqui:

Neste roteiro vamos falar de alguns artistas que utilizam referências em técnicas vernaculares ou na sua própria ancestralidade como recurso para suas poéticas. Suas obras, imbuídas de saberes populares e da vida cotidiana apontam para uma reflexão sobre o próprio sentido da arte para além do seu sistema dominante descrito como “erudito”.

"Histórias do sertão III" (1983), Juraci Dórea (Foto: Galeria Jaqueline Martins)

O artista Juraci Dórea (1944, Feira de Santana, BA) (galeria Jaqueline Martins) desenvolveu em Feira de Santana, Bahia, sua cidade natal, toda sua produção até aqui com uma poética calcada na paisagem e cotidiano locais. Para a série de obras Estandartes do Jacuípe de 1975, o artista utilizou recortes de couro e bastões de ferro usados nas selarias assim como signos e cores vindos das indumentárias dos vaqueiros. Esses trabalhos dialogam também com a abstração geométrica, no que eles tem de simplificação das formas, assim como rigor das linhas. 

Sem título (2012), Maria Lira Marques (Foto: Galeria Rodrigo Ratton)

Maria Lira Marques (1945, Araçuaí, MG), Gal. Bergamin & Gomide, é natural de Araçuaí em Minas Gerais no Vale do Jequitinhonha onde ainda vive. Ela produz pinturas e desenhos a partir de tintas naturais feitas com terra e areia do seu entorno. De cores variadas, esse material varia entre o amarelo e o rosado, passando por diversos tons de marrom e vermelhos. Desde os anos 90, ela trabalha em um imenso corpo de obras, que é um bestiário inspirado na natureza do Vale mas com grande liberdade nas formas, sem reproduzir fielmente oque vê mas criando a partir da imaginação. 

O piauiense Santídio Pereira, (1996, Rio Comprido, PI), Gal. Estação, vive em São Paulo desde os 8 anos de idade mas se vale de sua memória de infância na busca de elementos de fauna e flora para compor seu vocabulário imagético que ele reproduz principalmente em xilogravuras de grandes formatos com cores sólidas. Em todas estas práticas, a linguagem gráfica se combina às paisagens sertanejas de forma a reorganizar signos e referências.

Da série “Morros” (2020), Santídio Pereira (Foto: Galeria Estação)
“Pássaro” (2019), André Ricardo (Foto: Galeria Estação)

Também na Gal. Estação, pode ser visto o trabalho do pintor paulistano André Ricardo (1985). Ele desenvolveu trabalhos recentes em têmpera (2020-2021) nos quais é possível destacar diversas referências de festas populares e das ruas, como por exemplo as platibandas decoradas, que são elementos arquitetônicos das fachadas de casas populares com padrões geométricos e combinações de cores, presentes geralmente em regiões de profunda desigualdade social.

"Matheus coração", da série Prova de Estado (2019), Andréa Hygino (Foto: Galeria Superfície)
"Pesca farta" (2018), Davi de Jesus do Nascimento (Foto: Prêmio Pipa)

Outros artistas, buscaram em vivências familiares, os recursos simbólicos para a criação de uma poética que é por si mesma a afirmação de uma história coletiva invisibilizada. Os desenhos, ações e fotos de Davi de Jesus do Nascimento (1999, Pirapora, MG) (Galeria Sé) são guiados pelos relatos de seus parentes e pela vivência da sua comunidade de origem em Pirapora, na beira do Rio São Francisco. Sua série de desenhos “Gritos de alerta” de 2021, apresenta diferentes situações e desdobramentos gráficos em que a carranca, elemento cultural intrinsicamente ligado ao rio São Francisco, no lugar de afugentar os maus espíritos, pede socorro para as ameaças à vida no Rio. 

Ainda na perspectiva do resgate à história familiar, vale notar a série de gravuras ‘Prova de Estado’ de 2019 da artista Andréa Hygino (galeria Superfície). Neste corpo de trabalhos ela utiliza as superfícies de madeira de mesas e carteiras escolares como matrizes de xilogravura. Tanto a artista como sua mãe são professoras e ela traz portanto a experiência familiar do ensino, mas ao mesmo tempo a evoca a experiência coletiva, do aprendizado.

SP-Arte 2021 (Foto: divulgação)

De etnia Macuxi, o artista Jaider Esbell, (galeria Millan), acessa a cosmovisão de seu povo para elaborar sua poética. Sua série de pinturas A guerra dos Kanaimés de 2020é uma sucessão de cenas alegóricas com figuras ancestrais em que o artista evoca conflitos atuais vividos pelos Macuxi dentro de suas terras constantemente invadidas. Suas pinturas combinam figuração e abstração com grafismos e o uso da cor de forma contrastante. 

Da série "Kanaimé" (2021), Jaider Esbell (Foto: Marcelo Camacho)

SP–Arte Profile

Create your SP–Arte profile to receive our newsletters, create your own collections and have an enhanced experience of our website