Vermelho apresenta nova individual de Nicolás Robbio e filme de Rosangela Rennó

13.04.2017 – 10h40

A Vermelho inaugura no dia 18 de abril (terça-feira) sua oitava exposição individual de Nicolás Robbio, intitulada Arquitetura da Insônia. Na mesma ocasião, também estreia na galeria o filme Vera Cruz, de Rosangela Rennó.

Na videoinstalação A engraçada relação da conspiração, Robbio parte da teoria conspiratória do “Homem do guarda-chuva” – figura que aparece em vários filmes e fotografias durante o assassinato de John F. Kennedy, eleito presidente dos Estados Unidos em 1963 – para articular a impossibilidade de compreensão total da realidade através da razão. Diagramas e estudos feitos em cima das imagens do atentado criam desvios na investigação desse mito.

A instalação Monumentos para um conto de SP e outros também é concebida a partir de dubiedades históricas. O artista argentino parte de monumentos paulistanos que têm problemas éticos em suas origens – como a passagem dos bandeirantes pela cidade. Robbio cria estandartes para cada uma das construções e os vira do avesso, exibindo a precária estrutura de varas de madeira e papelão como um comentário político.

 

Rosângela Rennó na Sala Antonio

Por sua vez, a mineira Rosângela Rennó ocupa a Sala Antonio – o cinema da Vermelho – com o filme Vera Cruz, de 2000, feito por ocasião da exposição Brasil + 500 anos na Bienal de São Paulo.

Trata-se de um projeto experimental fundamentado na impossibilidade de se realizar um documentário sobre o descobrimento do Brasil. Baseado no conteúdo da carta escrita por Pero Vaz de Caminha, Vera Cruz exibe apenas a “imagem da película”, desgastada pelos 500 anos de existência. O som é também subtraído, e o que resta do relato assume a forma de texto-legenda.

 

Serviço

Arquitetura da Insônia e Vera Cruz seguem em cartaz até 20 de maio. Anote o endereço: Rua Minas Gerais, 350. Saiba mais no site da Vermelho.