Artespacio

Cidade
Santiago, Chile

artespacio

Huellas

Francisco Gazitúa, com uma longa história, apresenta esculturas em metal, onde se interligam organicamente, dando vida a novas formas, sinuosas e outras rígidas, em total harmonia. Verónica González, no seu interesse pela tradição japonesa, cria paisagens cujas texturas e padrões imitam o sentido de ordem e harmonia da natureza, como as pedras raked que representam a superfície ondulante do oceano. Recrie a tradição antiga, faça um tour e colete. Antonio Pichillá, Mayan Tz`utujil, Lago Atitlan, produz trabalhos sobre sua história e antropologia, entendendo seu passado. Pega elementos cerimoniais e cria objetos, usando tecidos com nós em telas geométricas, simbolizando blocos de energia. Manuel Chavajay, artista maia, apresenta-nos as suas raízes através de obras da paisagem de Atitlán. Ele abstrai o pigmento ancestral das montanhas, da água, do ar e o transforma em tinta, criando novos territórios. Francisca Garriga apresenta formas com palitos ou papel. Mistura dois movimentos: op art, pictórico e cinético-escultural, junto com a cor na teoria do alemão Josef Albers. As fotos de Máximo Corvalán mostram estufas-jangadas na Patagônia do Chile. Eles se movem em direções diferentes. Libertados do território, ficam à deriva, sem saber se desaparecem ou se naufragam. Isidora Villarino, trabalha em torno da relação que o ser humano estabelece com o seu meio, resgatando identidades e vestígios da cidade, que se transformam incansavelmente. Benjamín Ossa, sua série Polvos, a luz é o elemento central. Por causa do rascunho do artigo. É a linha convertida em recorte que constrói o desenho e suas formas. A imagem é gerada por meio da observação.


Artistas Selecionados

Antonio Pichillá, Benjamin Ossa, Francisca Garriga, Francisco Gazitua, Isidora Villarino, Manuel Chavajay, Máximo Corvalán-Pincheira, Veronica Gonzalez

Perfil SP‑Arte

Assine e fique por dentro dos principais acontecimentos do mundo da arte