Talks/2018 teve diversidade de temas e contou com presença de colecionadoras estrangeiras

13.04.2018 – 17h30

Já tradicionais na programação da SP-Arte, os Talks garantiram que a 14ª edição do Festival Internacional de Arte de São Paulo fosse mais uma vez um ambiente que discute e aprofunda os temais mais atuais e relevantes do universo artístico. Os 5 painéis deste ano aconteceram nesta quinta e sexta-feira e promoveram um produtivo diálogo entre o público e artistas, colecionadores e especialistas. Uma novidade no Talks/2018 foi a transmissão ao vivo das palestras pelo Facebook, que expandiu o conteúdos dos nossos debates para além do Lounge Bienal. A jornalista e apresentadora do programa Metrópolis, da TV Cultura, Adriana Couto, foi a mediadora das conversas.

Saiba como foram as mesas de conversa, veja fotos dos encontro e assista aos vídeos.


Arte e a diversidade de gênero

A abertura do Talks reuniu artistas jovens e talentosos, com trabalhos multimídia bastante diferentes entre si, mas com algo muito importante em comum: a luta pela inserção de trans e travestis. Ariel Nobre e Rosa Luz mostraram seus trabalhos e foram acompanhados pela jornalista Paula Alzugaray, editora da revista Select, que dedicou sua última edição inteira à diversidade de gênero.

Assista ao vídeo

Talks Rosa Luz na SP-Arte2018


Performatividade

Mais do que uma apresentação onde o corpo é instrumento para criar a obra do artista, a performance é também uma manifestação antenada com os movimentos e tendências sociais nos quais está inserida e que surge, justamente, como uma plataformas onde os artistas rompem com barreiras impostas por qualquer tipo de sistema. A performatividade e sua luta contra exclusão, social ou de gênero, foi o tema do papo com Paula Garcia, Maurício Ianês e Bruno Mendonça.

Assista ao vídeo


São Paulo nas alturas

O jornalista Raul Juste Lores publicou o livro “São Paulo nas alturas” onde faz um resgate sobre o verdadeiro milagre arquitetônico pelo qual passou a cidade nas décadas de 1950 e 1960. O tema gerou um curso promovido pela galeria Ovo e ganhou espaço na programação do Talks.

Assista ao vídeo


O universo digital e sua influência sobre as artes

Lançada no ano passado a obra “Odiolândia”, da artista visual, curadora e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, denuncia de forma contundente a intolerância exposta através de mensagens nas redes sociais. Durante o Talks o vídeo foi exibido na íntegra e Giselle comentou sua criação. Em seguida, Luli Radfahrer, da PHD em Comunicação Digital da USP fez um panorama com a história das redes sociais e uma projeção sobre o futuro delas.

Assista ao vídeo


Os colecionadores nos novos tempos

Dividido em duas mesas o painel trouxe nomes de peso para o palco. Na primeira rodada, o diretor da Galeria Vermelho, Akio Aoki mediou um papo entre Aaron Cezar, da Delfina Foundation, e o colecionador Pedro Barbosa. Em seguida a norte-americana Betty Duker resgatou a história de sua coleção, a maior de arte latino-americana da California, e sua relação afetiva com os países da América do Sul e Central. Pulane Kingston, da África do Sul, trouxe à tona a força dos trabalhos criados por artistas negras africanas e seu vínculo com a dramática história do continente.

Assista ao vídeo