Galeria Jaqueline Martins abre coletiva que debate o papel da mulher na arte e na sociedade

31 mar 2015, 10h05

A Galeria Jaqueline Martins recebe a coletiva “Tudo que é sólido desmancha no ar” a partir desta terça-feira (01).

Com curadoria de Bernardo de Souza, a mostra apresenta os trabalhos de quatro artistas representadas pela galeria paulistana. O ponto de partida é a obra de Letícia Parente (1930-1991), pioneira em registrar performances e criar vídeos políticos de arte no Brasil, ainda nos anos 1970, e a relação que ela estabelece com a produção de três nomes contemporâneos: Debora Bolsoni, Ana Mazzei e Lais Myrrha.

A partir dessa justaposição de práticas artísticas diversas e distantes no tempo, a exposição evidencia o conjunto de transformações culturais na sociedade brasileira nos anos que se seguiram a maio de 1968, especialmente aquelas que dizem respeito ao papel da mulher e sua condição política.

 

Cristiano Lenhardt no projeto Glory Hole

Também a partir de 1º de abril, a segunda ocupação do projeto “Glory Hole”, da Galeria Jaqueline Martins, fica a cargo do artista Cristiano Lenhardt, vencedor do prêmio Illy Sustain Art na SP-Arte/2014.

Nesta instalação, Lenhardt apresenta o vídeo “Meu Mundo Jegue”, que faz parte de sua pesquisa mais recente, além de alguns trabalhos impressos. No vídeo, ele coloca como uma espécie de statement sobretudo o amor. Ruas sem asfalto, árvores e mais árvores ao ponto de voltar a ser do mato.

“Tudo que é sólido desmancha no ar”Cristiano Lenhardt ficam em cartaz até 16 de maio de 2015. Anote o endereço da Jaqueline Martins: Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 74, Pinheiros. Mais informações no site.

(com informações da Revista Bamboo)