Dos outlets às galerias de arte. Art Basel mostra um lado novo e vibrante de Miami

06.12.2017 – 17h37

Há 16 anos, sempre no início de dezembro, uma movimentação diferente toma conta de Miami, o ensolarado destino turístico do sul da Flórida. Durante quatro dias, a capital dos outlets se transforma na sede oficial da arte contemporânea. Artistas plásticos, colecionadores, galeristas e amantes das artes invadem a cidade para participar da Art Basel Miami Beach, edição menor mas nem por isso menos grandiosa da original, realizada na cidade suíça que dá nome ao evento.

Hoje a Art Basel, que, além de Basileia e Miami, também acontece em Hong Kong, é a maior feira de arte do mundo. A 16ª edição do evento na cidade norte-americana acontece de 7 a 10 de dezembro e é a maior desde a sua estreia. São 268 galerias de 32 países. Vinte delas são brasileiras! Em uma entrevista recente ao Miami Herald, o diretor da feira Noah Horowitz colocou entre os destaques para este ano o estande da Galeria Leme, de São Paulo. O público brasileiro poderá conferi-la na SP-Arte/2018.

Mas não foi apenas a Art Basel que cresceu ao longo destes 16 anos em Miami. A cidade ganhou projeção no cenário das artes e uma programação extensa pegou carona. Hoje, outras 16 grandes feiras de arte acontecem simultaneamente com a Basel. Some a tudo isso festivais de música e eventos espalhados por toda a cidade.

Confira a nossa lista e entenda por que de hoje a domingo Miami é a cidade mais cool do mundo.


Public Sector

Os trabalhos exibidos na Art Basel Miami são divididos em oito setores. Um dos destaques da edição é o Public Sector, que recebe o crítico de arte Philipp Kaiser como curador pela primeira vez. Com obras que permeiam o tema “território”, a seção vai transformar o famoso Collins Park – próximo ao pavilhão da Feira – em um verdadeiro jardim de esculturas. Onze artistas (estabelecidos e emergentes) participam do projeto, entre eles a carioca Frida Baranek, a chilena Manuela Viera-Gallo e o francês Daniel Buren.

 

 


Novos expositores

São mais de 260 expositores reunidos na Art Basel em Miami, que se torna o epicentro mundial das artes visuais por uma semana. Para esta edição, a Feira produziu uma série de vídeos sobre as galerias estreantes no evento, entre elas a argentina Isla Flotante, a chinesa Antenna Space, a libanesa Sfeir-Semler e a francesa Applicat-Prazan. O Brasil também tem uma representante na websérie: a paulistana Jaqueline Martins comenta sua proposta curatorial e o trabalho da artista Letícia Parente, em destaque no estande da galeria.


feiras alternativas

Desde que surgiu em 2002, a Art Basel atraiu interessados do mundo todo para Miami, o que proporcionou a criação de inúmeras feiras paralelas. Pelo menos 16 eventos de grande proporção acontecem durante esta semana. Vamos aos principais:

  • Scope Miami Beach – realizada nas areias da Ocean Drive, reúne 140 expositores de 25 países.
  • NADA Art Fair – o nome vem das iniciais de New Art Dealers Alliance. Realizada também em Nova York, a NADA neste ano vai reunir 121 expositores de 16 países.
  • Pulse Art Fair – os curadores convidados para a feira deste ano têm o desafio de produzir um showcase utilizando recursos de vídeo e novas mídias.

Conversas sobre arte e design

Palestras sobre arte e design são organizadas pelas diferentes feiras que se instalam na cidade neste período. Em Art Basel, o destaque vai para a conversa do artista conceitual Charles Gaines – engajado em temas político-raciais – com Bryan Stevenson, diretor de uma iniciativa de justiça social, e Naima Keth, do California African American Museum. Entre os brasileiros, a artista Dora Longo Bahia conversa com Eduardo Brandão, diretor da Vermelho, sobre a relação artista-galeria. O Design Miami também caprichou na programação com debates que abordam a representatividade da cultura negra na arquitetura e no design.


Museus e coleções da cidade

Para além das feiras, instituições culturais de toda a cidade recebem os amantes das artes neste mês de dezembro. No Design District, acaba de abrir o Institute of Contemporary Art – Miami, com uma sede que se estende por de mais de 3500 m2. Até fevereiro, o museu exibe a mostra “The Everywhere Studio”, que conta com cem trabalhos de nomes como Roy Lichtenstein, Pablo Picasso, Hélio Oiticica e Margaret Honda. Outro importante museu de Miami está esperando pelo público. Reaberto em outubro, o The Bass – Miami Beach’s Contemporary Art Museum exibe diversas exposições que englobam produções de artistas como Pascale Marthine Tayou, Ugo Rondinone e Mika Rottenberg. A cidade também abriga coleções privadas que abrem as portas para visitantes: a exposição “Sculpture, Painting and Video at the Margulies Collection” faz um recorte da Coleção Margulies que reúne nomes como David Claerbout e Ernesto Neto.


música

III Points Music, Arts and Technology Festival – para complementar a maratona de arte, nada melhor que um superfestival de música. Em sua 5ª edição, o evento reúne em três dias 85 artistas, entre cantores, grupos e DJs. A cantora islandesa Bjork é a atração mais esperada deste ano. Será a primeira vez que ela se apresenta em Miami.

 

 


crianças

Tanto na Basel quanto nas feiras-satélites, a presença de crianças é estimulada por uma série de atividades pensadas exclusivamente para elas. Na Basel, existe um lounge onde os pais podem deixar os filhos.

Para as crianças com mais de 7 anos, foi criado um programa especial em que as crianças desenvolvem práticas de jovens artistas. Tudo é acompanhado por profissionais vindos diretamente do museu Museu Tinguely, na Suiça. O Miami Chilndren’s Museum sedia o Art Kids onde, entre várias atividades, as crianças são estimuladas a pintar quadros e mosaicos.

 

#respirearte