Sete lançamentos editoriais sobre arte, fotografia e design

21.12.2017 – 5:51 pm

Lançamentos de livros sobre arte, fotografia e design movimentaram o fim de 2017. Confira sete publicações divulgadas nos últimos meses do ano.


X-Range, de Regina Vater 

Mais de 70 casas foram fotografadas por Regina Vater para a primeira edição de “X-Range”, nos anos 1970. Entre tantos que abriram seus lares, apenas alguns foram selecionados para publicação, como os artistas Hélio Oiticica, Lygia Clark, John Cage e Vito Acconci. Na ocasião, cada registro ganhou também um poema e intervenções manuais, como rasgos e dobras (eram apenas 30 exemplares). Com edição de Pedro Vieira, a obra foi republicada no fim de outubro. Mesmo com uma tiragem maior, o editor repetiu certas ações da artista, intervindo manualmente em todas as 1500 impressões. Está na lista de melhores do ano da Revista Zum (Ikrek Edições, 8 lâminas).

 

(imagem: divulgação)


“Contraditório: arte, globalização e pertencimento”, de Moacir dos Anjos

Como as mudanças tecnológicas e a globalização podem afetar a produção artística? Como a arte absorve contradições latentes na contemporaneidade? Essas são algumas das questões que guiam a reflexão em “Contraditório: arte, globalização e pertencimento”, livro de Moacir dos Anjos lançado em novembro de 2017. Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, o autor foi curador da 29ª Bienal de São Paulo (2010) e de diversas exposições no Brasil (Editora Cobogó, 176 págs.).

 

(imagem: divulgação)


“Baiacu”, de Laerte & Angeli (orgs.)

Com sua primeira edição lançada em novembro, “Baiacu” marca a volta de uma das duplas mais famosas da ilustração brasileira. Angeli e Laerte selecionaram dez artistas que, durante duas semanas, trabalharam juntos para conceber uma obra que experimenta com a linguagem das histórias em quadrinhos, da poesia, da prosa e da fotografia. Aos dez artistas, juntaram-se os próprios editores, que colaboraram com desenhos e histórias, e mais cinco escritores e poetas (Editora Todavia, 320 págs.).

 

(imagem: divulgação)


“Pássaros do Brasil e algumas histórias”, Adriana Varejão

Primeiramente publicado em francês, “Pássaros do Brasil e algumas histórias” foi lançado em dezembro em português. Nele, a artista Adriana Varejão convida crianças a colorirem alguns pássaros típicos do Brasil, como o bem-te-vi e o joão-de-barro. Cada ilustração acompanha um texto sobre as diferentes espécies. A ideia surgiu após viagem da autora à Amazônia, quando conheceu os índios Yanomami e ficou encantada pelos desenhos que eles faziam das aves da região (Editora Cobogó, 24 págs.).

 

(imagem: divulgação)


“Poema/Processo: Uma Vanguarda Semiológica”, de Gustavo Nóbrega (org.)

Projeto lançado em dezembro pela Galeria Superfície, em São Paulo, “Poema/Processo: Uma Vanguarda Semiológica” faz um panorama da poesia visual no Brasil e documenta as principais obras produzidas pelo grupo Poema/Processo entre os anos 1960 e 1980. A publicação reúne 200 imagens do movimento que teve como um dos precursores o artista Wlademir Dias Pino. Com organização de Gustavo Nóbrega, o livro conta ainda com textos históricos escritos por Frederico Morais, Moacy Cirne, Álvaro de Sá, Neide Sá, Frederico Marcos, Anchieta Fernandes, e, o mais recente deles, o texto do curador e pesquisador Antonio Sergio Bessa (WMF Martins Fontes, 320 págs.).

 

(imagem: divulgação)


“Sergio Rodrigues / Designer”, de Baba Vacaro e Fernando Mendes (org.)

“Sergio Rodrigues / Designer” resgata o papel do arquiteto Sergio Rodrigues na renovação do mobiliário produzido no país. Com organização de Baba Vacaro e Fernando Mendes, a publicação analisa a obra de Rodrigues da perspectiva do desenho e ressalta o conhecimento que o designer possuía dos detalhes da fabricação de um móvel. O livro reúne ainda um caderno de croquis, com reproduções do traço original, e um ensaio fotográfico de Fernando Laszlo, revelando o processo criativo de Sergio Rodrigues desde a criação até a forma final de cada peça (Editora BEI, 240 págs.).

 

(imagem: divulgação)


“Rubens Matuck: tudo é semente”, de Rosely Nakagawa (org.)

O objetivo de “Rubens Matuck: tudo é semente”, organizado por Rosely Nakawaga, também curadora da mostra homônima que o paulista apresentou em 2015, é apresentar ao leitor a história completa do trabalho do artista, composto por pinturas, gravuras, esculturas e ilustrações com temas que envolvem a natureza. Com uma grande documentação fotográfica das obras, o livro traz colaborações de Norval Baitello Junior, professor de semiótica da PUC-SP, Rui Moreira Leite, arquiteto e pesquisador de arte, Ana Miranda, escritora, Luiz Tatit, músico e pesquisador, entre outros (Edições Sesc, 392 págs.).

 

(imagem: divulgação)

 

#respirearte