Ernesto Neto, Jac Leirner, Nuno Ramos e outros expõem em "Coletiva de Verão", na Fortes Vilaça

6 Jan 2015, 12:07 pm

Durante todo o mês de janeiro, a Galeria Fortes Vilaça apresenta a mostra “Coletiva de Verão”, com obras de Ernesto Neto, Jac Leirner, Lucia Laguna, Marina Rheingantz, Marine Hugonnier, Nuno Ramos e Rodrigo Cass.

Ernesto Neto apresenta uma escultura penetrável composta de cordas, madeira e granito. O crochê feito das cordas forma uma membrana sustentada por amarrações no teto. O público é convidado a entrar na escultura e fazer o percurso sinuoso do seu interior, descobrindo a textura das cordas entrelaçadas e os grafismos de sua base. O título do trabalho, “yube crochê”, faz referência à cobra jiboia que, para os indígenas, está ligada à vida e ao conhecimento.

Na parede frontal, trabalhos de diversos artistas criam uma ideia abstrata de lugar na natureza através de experiências com a cor verde. Na aquarela de Jac Leirner, o verde é organizado geometricamente na transparência das veladuras. Já no desenho de Nuno Ramos, ganha presença com uma espessa camada de tinta a óleo. “Forest (Amazonia / -4° 49.248′, -56° 47.455′ / 6.30 pm / 28°)”, de Marine Hugonnier, é criado com a exposição de papel fotossensível a um determinado tempo e local, de modo que o trabalho torna-se a emanação do calor desse ambiente. Marina Rheingantz refere-se a uma floresta mesclando geometria à paisagem, enquanto Lucia Laguna apresenta uma pequena pintura onde é possível identificar fragmentos de seu jardim. Finalmente, a obra de Rodrigo Cass pontua a montagem com um elemento de intensa carga simbólica, trazendo uma pena incrustada em um pedaço de concreto.

Os trabalhos ficam expostos até 30 de janeiro, e a Fortes Villaça fica na Rua Fradique Coutinho, 1500. Mais informações no site da galeria.