Em entrevista, Leonor Amarante adianta temas de debate com Ella Cisneros na SP-Arte

30 Mar 2016, 1:59 pm

Em parceria com a revista ARTE!Brasileiros, a SP-Arte promove sua série de debates de 2016: Talks – Coleções na América / American Collections.

O programa toma lugar nos próximos dias 7 e 8 de abril (quinta e sexta-feira) no auditório do MAM, no Parque Ibirapuera, e é especialmente criado para debater como se constituem importantes coleções do continente americano junto a especialistas da cultura, colecionadores, historiadores, investidores, galeristas e artistas.

Uma das palestras mais esperadas está marcada para a tarde de sexta-feira: Ella Fontanals-Cisneros, fundadora da CIFO – Cisneros Fontanals Art Foundation, em Miami, falará sobre o acervo da fundação e a recente abertura cubana. A mediação será da jornalista Leonor Amarante, que adianta temas da conversa nesta entrevista. Confira!

SP-Arte: O debate que você mediará tem como tema “A Coleção CIFO e o Novo Cenário da Arte em Cuba”. Que “novo cenário” é esse?

Leonor Amarante: Nos últimos anos, o sistema cubano de arte se expandiu. Atraiu colecionadores internacionais que começaram a se interessar pela produção cubana. Muitos deles estiveram na 12ª Bienal de Havana, em 2015, e visitaram ateliês. Aquela edição criou uma estrutura focada na experiência vivencial de arte a partir de pequenos públicos, para chegar a projetos paralelos de grande dimensão espalhados por toda a cidade de Havana. O novo cenário tanto dá espaço para exposições de consagrados estrangeiros como Daniel Buren e Anish Kapoor, como entra nas comunidades de Havana, trabalha o tecido urbano e as relações sociais que se criam a partir da arte. Diretores de instituições americanas, críticos e colecionadores não estão mais sob o efeito do voyeurismo. Agora eles desembarcam em Havana para ver, comprar obras e expor em suas cidades. Há muito otimismo no ar, no entanto, ainda há muitas pontes a serem construídas antes que Cuba possa abrir-se, definitivamente, para os novos desafios que a esperam.

SP-Arte: Quem são os elementos que se destacam nesse cenário? Há uma cena de artistas, curadores e/ou colecionadores?

Leonor Amarante: Em Havana há muitos artistas, mais de 250 deles integraram a mostra “Zona Franca”, evento paralelo à Bienal de Havana. O número excessivo de participantes nesse evento se explica pela presença nessa cidade “letrada” do Instituto Superior de Arte, o ISA, que há longos anos forma a maior parte dos artistas da Ilha. Também não faltam críticos, curadores e parceiros. Poucos sabem que há décadas, mesmo com o embargo, Cuba mantém intercâmbio regular com instituições americanas de arte como o The Bronx Museum. A galeria italiana Continua, da Toscana, conseguiu fixar-se em Havana como Centro Cultural não comercial, numa ação conjunta entre o Conselho Nacional de Artes Plásticas (CNAP) e a Continua. Na mostra inaugural, apresentou artistas cubanos e, na 12ª Bienal, intermediou as obras e a vinda de Pistoletto, Buren, Kapoor, Joseph Kosuth, este último oficialmente representando os Estados Unidos.

SP-Arte: Por que é importante falar de Cuba quando o tema é colecionismo e arte em geral?

Leonor Amarante: Cuba está no centro das atenções político-econômicas, mas o colecionismo na Ilha ainda é incipiente e começa a aparecer por conta dos cubanos que vivem ou viviam em Miami, na Europa, e dos leilões online. Hoje, o “mercado” cubano tem farto material para ser consumido a curto prazo e o país tem condições também de realizar sua Feira de Arte. Havana organiza feiras de vários outros segmentos durante o ano inteiro. Como hoje os ventos sopram a favor da Ilha, deve-se considerar que Ella Fontanals-Cisneros compra obras desde a década de 1970 e seu acervo reúne mais de 2,6 mil trabalhos. Ninguém descarta a possibilidade de um dia parte dele ser transferido para Cuba.

SP-Arte: O que espera da conversa com Ella Cisneros na SP-Arte?

Leonor Amarante: Depois de passar várias décadas longe de seu País, Ella tenta um protagonismo vivo dentro do sistema cubano de arte. Nesse encontro pode-se ampliar a reflexão sobre o que ocorrerá com a arte cubana nos próximos quais estratégias ela usou e ainda usará para driblar as regras ainda vigentes na Ilha. Artistas como Carlos Garaicoa, Gustavo Pérez Monzón, René Francisco e tantos outros, da chamada “geração 80 cubana”, que trabalham narrativas transversais e materialidade híbrida, têm merecido a atenção da colecionadora. O sistema cubano de arte se especializou e se profissionalizou com essa geração que agora se junta aos artistas emergentes que deveriam ser igualmente impulsionados. Ella pode explicar se ainda há divergência em relação ao ideal que mantém na CIFO de Miami, em relação ao museu ou à fundação que tenta concretizar em Cuba. Por fim, desvendar seu entendimento de identidade, porque Ella Fontanals-Cisneros viveu 60 anos fora de Cuba, inserida em outro universo sócio-econômico-cultural e, agora tenta voltar às suas raízes.

 

Anote: a SP-Arte/2016 acontece de 07 a 10 de abril no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera. Saiba mais sobre os Talks aqui e acompanhe as novidades no Facebook, Twitter e Instagram!