Todos os anos, a SP-Arte reúne em São Paulo as galerias mais prestigiadas do cenário artístico nacional e internacional. Apresentando um panorama da arte moderna e contemporânea, e servindo como termômetro da economia criativa, traz em 2017 ao epicentro cultural brasileiro mais de 120 galerias e múltiplos artistas – que se traduzem nos mais diferentes formatos, como pintura, escultura, gravura, fotografia, instalação e vídeo.

 



Obras de artistas consagrados e em ascensão se espalham pelas curvas do prédio desenhado por Oscar Niemeyer durante os dias de SP-Arte. O público se depara com experiências de múltiplos formatos e escalas, degustando um mosaico atual e enriquecedor das artes.

Veja a lista Geral 2017



Neste setor, galerias destacam até três nomes que despontam na cena contemporânea. Dessa forma, atraem olhares para novos talentos e suas trajetórias, proporcionando interessantes combinações e descobertas.

Veja a lista Showcase 2017



Através de exposições individuais, o projeto se desenvolve como plataforma de pesquisa e reflexão artística, conciliando vozes de criadores de diferentes gerações e promovendo uma rica mistura de artistas e formas. O espaço tem curadoria de Luiza Teixeira de Freitas  – curadora independente que já foi colaboradora da galeria Tate Modern em 2008 e assistente curatorial da 3rd Marrakech Biennale, em 2009.

Veja a lista Solo 2017



Estreia nesta edição o setor Repertório, concebido com o intuito de apresentar artistas brasileiros e internacionais fundamentais para a compreensão das práticas artísticas contemporâneas, em alguns casos ainda não devidamente reconhecidos. A seleção respeita um recorte cronológico – os artistas escolhidos nasceram antes dos anos 1950, e as obras apresentadas foram produzidas até o final da década de 1980.

Entre os artistas estão Pino Pascali, ligado à Arte Povera; Richard Long, um dos mais importantes artistas ingleses da segunda metade do século XX; e Lothar Baumgarten, artista alemão com uma obra profundamente influenciada pela paisagem, história e cultura amazônica brasileira. O espaço é curado por Jacopo Crivelli Visconti, curador, entre outras exposições, de mostras retrospectivas de artistas como Héctor Zamora (CCBB-SP, 2016), Sean Scully (Pinacoteca-SP, 2015) e Leda Catunda (MAM-RJ, 2014), e da 12ª Bienal de Cuenca (Equador, 2014).

Veja a lista Repertório 2017